Deployable-bamboo-space-structure-pavilion-Bambutec-11.jpg

Pavilhão em bambu e biomateriais, Sesc Paraty

Deployable-bamboo-space-structure-pavilion-Bambutec-4.jpg Deployable-bamboo-space-structure-pavilion-Bambutec-3.jpg Deployable-bamboo-space-structure-pavilion-Bambutec-8.jpg Deployable-bamboo-space-structure-pavilion-Bambutec-1.jpg Deployable-bamboo-space-structure-pavilion-Bambutec-10.jpg Deployable-bamboo-space-structure-pavilion-Bambutec-12.jpg Deployable-Bamboo-Structure-Pavilion.jpg Diagram-of-forces-in-bars-9.jpg Deployable-bamboo-space-structure-pavilion-3-Views.jpg Deployable-Structure-Pavilion-applying-Bamboo-and-Biomaterials-4-Plan-View.jpg Deployable-bamboo-space-strucure-pavilion-4.jpg Deployable-bamboo-pantographic-gridshell-assembly-procedure-5.jpg Deployable-bamboo-space-structure-pavilion-Bambutec-13.jpg Encapsulation-of-bamboo-poles-1st-coat-cotton_earth_pva-glue.jpg

Encapsulamento dos colmos de bambu em biomateriais

Encapsulation-of-bamboo-poles-2nd-coat-cotton_earth_pva-glue_castor-oil-polymer.jpg Deployable-bamboo-space-structure-pavilion-Bambutec-5.jpg Deployable-bamboo-space-structure-pavilion-Bambutec-7.jpg

Pavilhão em bambu e biomateriais

O Pavilhão em Bambu e Biomateriais é uma estrutura autoportante modular, montável e desmontável, utilizando treliças espaciais de bambus tratados, encapsulados com bio compósitos de terra crua, fibras de algodão, PVA e resinas vegetais. A estrutura utiliza um sistema de ligações flexíveis em cabos de poliéster e anéis de travamento bio compósitos, com baixo desgaste mecânico das peças. A cobertura emprega painéis pantográficos implementáveis, membranas acrílicas tensionadas, cabos têxteis e cabos de aço. A estrutura pesa 8.5 kg/m², situando-se no campo das estruturas ecológicas ultraleves. Sua leveza e mobilidade, as técnicas de fabricação e os biomateriais utilizados, favorecem a introdução de novos modelos para a construção civil a partir do uso sadio dos locais de instalação. A implantação emprega uma estrutura pré-fabricada de montagem rápida, com baixa produção de resíduos, redução no consumo de energia e mínimo impacto ambiental. O projeto recebeu auxílio financeiro da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro FAPERJ.

Fotos: Juan Dias